5 de set de 2010

Reativando ... junto com a Responsabilidade Social

Agora eu volto a ativa por aqui. Estava organizando o meu tempo, mas a partir de agora, vou postar um pouco de conhecimento à respeito desta área tão criticada, pela arte, estratégia e persuasão que nela, se entregam. A nova Publicidade!
E não deixarei de critica-la, tanto positivamente, quanto negativamente. Pois, o que importa para nós, são as possibilidade do atuar junto ao melhoramento da vida.
Ao mesmo tempo que a publicidade é capaz de facilitar a vida de muitas pessoas, ela é também, responsável por um papel não muito agradável, quando utilizada de maneira cega. Vamos a partir de agora, tentar fazer uma publicidade voltada para a reorganização do planeta, que sofre pela atitude de consumo excessivo dos seres humanos. A Responsabilidade Social, agora, deve ser uma atitude de ordem. Muitos ja sabem disso!
Está na hora de pensar em ser sustentável, para o bem de todos!

Logo, vários temas estarão passando por aqui!
Fique ligado!

9 de jan de 2010

Só para descontrari... Feliz 2010 Publicitários!!!!

Publicitário não come, degusta o produto.
Publicitário não cheira, sente a fragrância.
Publicitário não toca, examina o design.
Publicitário não dá a resposta, cria outra pergunta.
Publicitário não conquista, persuade.
Publicitário não tem destino, tem target.
Publicitário não ouve barulho, ouve ruído.
Publicitário não fala, envia mensagem verbal.
Publicitário não procura endereço, procura praça.
Publicitário não escuta, decodifica a mensagem.
Publicitário não tem idéia, tem brain storm.
Publicitário não recebe resposta, recebe feedback.
Publicitário não tem memória, tem repertório.
Publicitário não lê, decifra o código textual.
Publicitário não pergunta, faz pesquisa.
Publicitário não ouve música, ouve trilha sonora.
Publicitário não tem lista, tem mailing.
Publicitário não copia, se inspira.
Publicitário não vê outdoor, vê mídia exterior.
Publicitário não falece, apenas seu ciclo de vida chegou ao fim.

9 de set de 2009

Propaganda só para inglês ver - Por Marili Ribeiro - O Estado de S.Paulo

Propaganda só para inglês ver
08/09/09




Os profissionais de criação publicitária no Brasil que trabalham para as grandes redes globais veem seus horizontes se ampliarem. Cresce o número de anúncios concebidos no País - às vezes filmados aqui, outras na vizinha Argentina, onde os custos são menores. São campanhas que os brasileiros não veem. Propaganda feita para ser veiculada no mercado externo, mas que carrega um toque de brasilidade.

Vários fatores têm colaborado para isso. O primeiro deles é a retração dos negócios em mercados relevantes, como os EUA, onde houve dispensa de funcionários nas agências e redução de 15,4% dos investimentos publicitários no primeiro semestre ante o mesmo período de 2008. Isso acabou estimulando o aproveitamento de equipes em países menos afetados pela crise onde as redes estão presentes. Caso de Brasil, Índia e China, onde conglomerados como WPP, Interpublic e Omnicom têm afiliadas.

A agência Ogilvy Brasil, que pertence ao grupo WPP, tem desenvolvido aqui, sob comando do vice-presidente de criação Anselmo Ramos, os filmes da Coca-Cola para o chamado "mercado hispânico". Não só esses, mas também os da empresa de telefonia Motorola. A produção e o planejamento vêm sendo realizados na Argentina, e , no caso da Coca, o atendimento fica em Miami, onde os anúncios também são veiculados.

"As multinacionais estão trazendo trabalho para cá porque há boas ideias e custos menores", diz Anselmo. "Até mesmo figurões da direção de filmes publicitários, que antes da crise não dispunham de agenda para filmar para mercados latinos, agora estão disponíveis. Tudo ficou mais fácil."

E, se o efeito crise impulsionou a procura por agências brasileiras, a maturidade e internacionalização da atividade, intensificada nos últimos anos com a vivência de publicitários trabalhando no exterior, como é o caso do próprio Ramos, tornou a demanda por trabalhos criados aqui ainda mais consistente, na opinião do vice-presidente de criação da agência JWT (grupo WPP), Mário D?Andréa.

"As novidades que vejo hoje são o fato de os criativos terem aprendido a trabalhar nos padrões e conceitos anglo-saxões, que dominam a grande publicidade, como também a existência de uma rede de executivos de marketing brasileiros espalhados pelo mundo em multinacionais. Ele são mais sensíveis em contratar serviços de comunicação com referências nativas", diz D'Andréa.

No caso da JWT, a solicitação da cota brasileira de colaboração tem sido identificada em campanhas realizadas para o banco HSBC. Há dois exemplos no forno atualmente. Um está para entrar no ar no mercado argentino - é um filme criado pela equipe da JWT Brasil. No âmbito global, o novo filme institucional do banco, criado em parceria por equipes do Brasil e Londres e produzido na Índia, para ser veiculado na Europa, Ásia e América Norte, é mais um com acento nativo mas que não os brasileiros não verão.

Menos otimista com a perspectiva de que a atual demanda tenha vindo para ficar, o vice-presidente de criação da Leo Burnett (grupo Interpublic), Ruy Lindenberg, acha que "o sonho de todo o publicitário é exportar suas ideias, produzir no melhor lugar e veicular o trabalho no maior mercado do mundo". Mas, para ele, as campanhas elaboradas no exterior são mais consistentes e com planejamento mais bem detalhado. "Ainda não estamos preparados para criar as megacampanhas vistas lá fora", diz.

"Mas também reconheço que a vivência dessa nova geração, que tem experiências profissionais intensas lá fora, está mudando esse cenário." Fora do universo das redes globais, mas também com a intenção de se preparar para disputar um mercado maior, está a Loducca. O presidente da agência, Celso Loducca, tem contratos profissionais em países como Argentina e Portugal para integrar sua equipe e lhe dar um caráter mais internacionalizado.

" Acredito que é a hora e a vez do Brasil também no negócio da propaganda. O mundo está mais bacana com a gente. A criatividade sempre foi bem vista, mas o negócio na propaganda, nem tanto. Mas essa percepção está mudando. Basta ver que, antes, qualquer empresa tinha o escritório de marketing para atender a América Latina em Miami. Agora, não há dúvida, a opção é de instalar o escritório em São Paulo."

Por Marili Ribeiro - O Estado de S.Paulo

29 de jun de 2009

Boas dicas... por Neil Christie

Boas dicas para vc... por Neil Christie...

As dicas estão abaixo.

Cargos para Criativos

Nós contratamos equipes criativas júniores para uma colocação de curta duração, geralmente um trabalho de 4 semanas. Normalmente temos dez colocações por ano, portanto há uma certa lista de espera. Gostamos de olhar as equipes e suas pastas pelo menos umas duas vezes antes de convidá-los a ficar.

Se estiver interessado em uma colocação no trabalho criativo, por favor contate Ben Everitt ou Sophie Bodoh por e-mail: ben.everitt@wk.com e sophie.bodoh@wk.com .

O Top 11 das Dicas do Ben e da Sophie para Pastas:

1. Seja rápido. Os criativos olhando a sua pasta têm tempo limitado, assim aproveite ao máxio a oportunidade. Mantenha seus storyboards e sopt de rádio curtos e atraentes.

2. Uma pasta equilibrada tende a ter entre 7 e 9 campanhas de propaganda e umas poucas outras idéias criativas.

3. Chegue ao coração de uma marca. Tente descobrir o que a faz diferente para todo mundo e o que está no coração de seu produto e sua compania.

4. Demonstre diferentes tons de voz. Como essa marca fala com as pessoas? Qual é a personalidade dela?

5. Ache diferentes maneiras de falar com as pessoas. Você não precisa sempre se conformar ao convencional. Logos não precisam ficar nos cantos. Fotos não precisam ser engraçadas. E textos longos não são assustadores.

6. Faça mais do que anúncios impressos. Há muitas outras maneiras interessantes de se explorar uma idéia. Qual a mídia apropriada para a sua? Qual meio é o certo para a sua audiência? O que atrairá as pessoas e surpreendê-las? (TV, imprensa, rádio, web, viral, ambiente, cães falantes…)

7. Ouça e tome nota também. Você ficaria surpreso com quantas pessoas que não o fazem! O que é bastante chato para os criativos que deram do seu tempo para lhe ver.

8. Expanda pelo menos uma de suas idéias para uma campanha grande e prove que não se trata de um mero pôster ou propaganda de TV.

9. Nós gostamos de descobrir sobre você bem como ver sua pasta. Mostre-nos sua coleção de Matchbox, o curta que está fazendo paralelamente ou seu maior sucesso no fogão. Vemos toneladas de anúncios, mas às vezes são essas pequenas coisas engraçadas que resumem quem você é.

10. O mundo da propaganda é pequeno, portanto não irrite as pessoas ou os outros vão ficar sabendo.

11. Se você gosta de uma equipe em particular, tente voltar a ela com mais trabalhos. Tente construir um relacionamento. Isso lhe ajudará a fazer mais contatos, eles podem recomendá-lo aos seus amigos e colegas da propaganda.

Você já está pronto pra começar.

Copyright “welcome to optimism”, Wieden+Kennedy, London. All Rights Reserved

Achado: http://www.escolacuca.com/?paged=2

Line:
http://wklondon.typepad.com/welcome_to_optimism/2009/04/words-of-advice-for-young-people.html

Tv África, destacando por aqui!




Depois de um bom tempo desligado do blog, estou voltando agora para passar boas informações desta nossa área que está em constantes mudanças;D

Tenho entrado no site da Africa, uma das maiores agências do Brasil, de Publicidade e propaganda, e me chamou atenção um canal interno que eles criaram dentro da empresa, passando várias informações de suas campanha. Vale a pena você conferir: www.africa.com.br
Tv África, muito legal o trabalho. Bem informativo e interessante!
Boa Navegação!

31 de mai de 2009

O que fazer com a publidade e a propaganda?



O que fazer com a publidade e a propaganda?
Simplesmente, ultilizá-las!
Só que com um grande detalhe, tem q ser bem feita, e por um profissional da área.
A Publicidade tem o papel de apresentar um serviço ou produto desconhecido, à um determinado público, para que assim, este, se torne uma referência para o seu público.